PAISAGEM MIRAGEM, VAZANTE E CHEIA

Desenho frente e verso em gradil na sede do Banco Santander na Av. Faria Lima, um lugar  símbolo do progresso econômico na cidade de São Paulo.

O desenho mostra duas imagens que retratam a paisagem nativa anterior ao urbanismo da região: a cheia, inundando a várzea no verão e criando uma paisagem pantaneira, e a vazante, quando o campo de cerrado seca no inverno. Localizado nesta avenida muito movimentada, que faz parte do percurso  diário de um contingente grande da população, o trabalho se baseia nas estratégias dos antigos outdoors com dois ângulos de visualização, que mostram no mesmo lugar duas imagens que se alternam conforme o deslocamento de ida e volta das tarefas cotidianas. 

A dimensão do gradil, cria algumas possibilidades narrativas, ele não pode ser visto inteiro, mesmo do outro lado da avenida, e quando andamos na calçada onde está a obra, o campo de visão é reduzido.  O desenho funciona como uma animação, criando um percurso narrativo que aponta a exuberância biológica perdida de um paraíso suplantado pelo crescimento da cidade. O título faz referência á superfície onde o desenho foi feito, o gradil divide o desenho em segmentos, que são visualizados ora vazando o jardim logo atrás dele, ora se fechando  e formando 

a imagem cheia  que encobre a vista do fundo.